Produtores são premiados pelos melhores cafés depositados na Cocatrel, na safra 2019/2020

Cooperativa inova ao criar sistema que liga o consumidor diretamente ao produtor e ainda poderá gratifica-lo financeiramente


Na tarde de terça-feira, 30 de outubro, a Cooperativa dos cafeicultores da Zona de Três Pontas (Cocatrel) realizou a premiação dos Melhores Cafés da safra 2019/2020, na Pousada Travessia. A décima edição do evento coroou a dedicação e o emprenho dos produtores que tiveram os 12 melhores lotes de cafés dentre as mais de 45 mil amostras recebidas pela cooperativa.


“2019 foi um ano difícil, de preços baixos para o café e atípico em relação à qualidade, mas são nesses momentos que a cooperativa precisa atuar, prestando serviços eficientes e buscando alternativas para remunerar melhor os cooperados. Estamos extremamente orgulhosos por realizar esse evento e premiar esses 12 produtores, que produziram excelentes cafés, resultado de muito esforço, trabalho e, principalmente muito amor pela cultura do grão”, afirma Marco Valério Brito, presidente da Cocatrel.


A Cocatrel possui um setor exclusivo para exportação de cafés finos e especiais, o Cocatrel Direct Trade (CDT), que tem como objetivo orientar o produtor, identificar e promover seus cafés ao redor do mundo. Gabriel Miari, coordenador do CDT, mostrou o crescimento das exportações e os expressivos números em relação aos cafés especiais. “A Cocatrel tem buscado consistência nos negócios e investido no relacionamento com seus clientes, que estão localizados nos principais países importadores do mundo. Esse bom relacionamento, a segurança, a eficiência e a pontualidade nos embarques e nas entregas, têm conquistado a confiança de importantes empresas, como as japonesas, que costumam pagar bons preços pelos nossos cafés”, explica.


Promoção e inovação


A Cocatrel separou algumas sacas dos cafés premiados para fazer a promoção dos produtores e também desses cafés, que serão comercializados em embalagens personalizadas, constando nome e origem de cada um.


A cooperativa inova ao trazer na caixinha dos cafés, um QR code que, quando lido, levará o consumidor a uma página contendo toda a história do produtor e também a rastreabilidade dos cafés.



A Cocatrel fará o lançamento e promoção de dois dos melhores cafés por mês, que estarão disponíveis na loja online da cooperativa e também na Cafeteria Cocatrel. Cada produtor terá participação de R$10 reais na venda de cada embalagem contendo seu próprio café.


Valorize o produtor


A grande inovação da Cocatrel chega através de um sistema de gratificação em dinheiro, do consumidor ao produtor. Além de fazer a ligação entre as duas pontas da cadeia do café, as pessoas que experimentarem e gostarem daquele café, poderá entrar na página dele, clicar no botão "valorize o produtor" e gratificá-lo com qualquer quantia em dinheiro, que será depositada diretamente em sua conta.


“Quando fazemos um trabalho dedicado, cuidando da colheita do café, desejamos ter um café bom, mas eu não esperava que chegaria a tanto. Estou extremamente feliz, orgulhoso e agradecido por meu café ter sido tão bem comercializado pela Cocatrel”, diz Denilson Antônio Costa, de Ilicínea, que teve seu café vendido ao mercado japonês por R$1.773 reais a saca.


Importante frisar que, através da Universidade Cocatrel e também do Cocatrel Direct Trade, a cooperativa vem fazendo um trabalho expressivo de capacitação de produtores, com cursos de cafés especiais, visitas às propriedades e todo auxílio necessário, principalmente relativo à pós colheita.


Segundo Marco Valério, “essa premiação vem para fechar com chave de ouro o ciclo da safra, evidenciando o trabalho da cooperativa e também do produtor, para mostrar que é possível produzir cafés de altíssima qualidade e ainda conectar o nosso cooperado ao mercado externo, remunerando-o cada vez melhor. Esse é o papel da Cocatrel”.


Conheça os 12 premiados:


Afonso Pinto- Fazenda Olhos d'Água- Nepomuceno – MG

Variedade: Catuaí Vermelho

Altitude: 980m

Afonso, desde os 11 anos trabalhou em fazendas próximas de sua casa. Com o tempo, ele aprendeu a cuidar das colheitas e a secar o café no pátio. No ano de 2004, Afonso comprou sua pequena fazenda. Com a ajuda da esposa e dos dois filhos, hoje eles cuidam das plantações de café com muito cuidado, pensando em melhorar a qualidade dos lotes todos os dias. A fazenda Olhos d'Água possui uma grande área de preservação ambiental. Afonso e sua família estão sempre procurando melhores maneiras de pós-colheita e, assim, garantir uma boa qualidade nos cafés.

Seu café tem características: doce e frutado, com notas de uva passa e melaço de cana.


Agostinho de Fátima Marcelino- Fazenda Curralinho- Três Pontas – MG

Variedade: Mundo Novo

Altitude: 970m

Quando criança, o Sr. Agostinho ajudou seus pais nas lavouras de café da fazenda onde trabalhavam. Desde então, ele é apaixonado por café e, quando se casou, decidiu comprar uma pequena fazenda para cultivar seu próprio café. Ele realmente gosta de trabalhar em seus micro lotes, pós-colheita, usando vários métodos de preparação. Ele também cria vacas leiteiras com a ajuda de sua família.

Seu café tem características: doce e frutado, com notas de frutas amarelas e limão, lembrando também cana de açúcar.


Carlos Henrique Teodoro- Fazenda Serrano- Ilicínea - MG

Variedade: Paraíso MG2

Altitude: 1045m

Quando ainda criança Carlos Henrique já observava seu pai trabalhar nas lavouras de café. Com o passar dos anos, ele foi crescendo e, junto com seus irmãos, começou a ajudar seu pai na administração da propriedade da família. Carlos Henrique foi adquirindo experiência e, com muito esforço e trabalho, comprou sua pequena fazenda. Ao longo dos anos, ele está buscando novas técnicas de cultivo, melhoramento de pós-colheita e qualificação profissional - visando sempre a produção de lotes de café de altíssima qualidade.

Seu café tem características: doce e frutado, com notas de frutas maduras, como pêssego em calda.


Denilson Antônio Costa- Fazenda Furnas- Ilicínea - MG

Variedade: Arara

Altitude: 1100m

Denilson trabalha com café desde a infância quando ajudava seus pais na fazenda. Em 1995, ele decidiu plantar suas primeiras lavouras de café, mas não obteve bons resultados e desistiu de tudo. Ele se mudou para uma região próxima e começou a trabalhar com vendas de tecidos. No entanto, em 2015, ele uniu forças com seus irmãos William e Denis e decidiu comprar um pequeno pedaço de terra. A família está muito satisfeita com os resultados e a qualidade do café que produz. Pouco a pouco, eles estão reorganizando a estrutura da fazenda e melhorando a produção dos grãos.

Seu café tem características: bastante doce, com notas de frutas maduras, remetendo a goiabada.


Eduardo Henrique Barbosa- Fazenda Serra Nova- Ilicínea - MG

Variedade: Topázio

Altitude: 1250m

Enquanto viajava pela comunidade de Serra Nova em 1957, o Sr. Barbosa, avô de Eduardo Barbosa, ficou encantado com a região e percebeu que lá ele poderia produzir um ótimo café, além de ser um bom lugar para criar seus cavalos. Decidiu estabelecer-se lá. Ele começou a cultivar seus primeiros pés de café e milho, comprou algumas vacas leiteiras e cavalos. Atualmente, a fazenda é administrada por seu filho Roberto Barbosa e seus netos, Eduardo e Vinicius Barbosa. Eles usam os melhores métodos do mercado para produzir café de alta qualidade.

Seu café tem características: doce e frutado, com notas de melaço de cana.


Fábio Araújo Reis- Fazenda do Salto- Carmo da Cachoeira - MG

Variedade: Bourbon Amarelo

Altitude: 1230m

Doutor Fábio, como é conhecido, gosta de cultivar café há muito tempo. Ele teve seu primeiro contato com o café quando ainda era bem jovem. Frequentou a Faculdade de Medicina e, mesmo na universidade, Fabio dedicou-se à produção de café. Hoje, a Fazenda do Salto é administrada por Fabio e seus filhos. Eles estão sempre se esforçando para produzir café de qualidade, buscando a excelência. Fabio está sempre ciente da importância das questões de sustentabilidade, ambientais e sociais.

Seu café tem características: frutado licoroso, que remete à uva e vinho.